O estudante

c6075d7ac70c1e6a91216af6cbb43cfd
Credit: Al Margen

O estudante acordou desanimado para mais um início de semana, enquanto escovava os dentes fazia o inventário das coisas a serem feitas. Tinha três imensos artigos científicos pra ler e um livro a ser lido para a prova na sexta. Foi tentado durante o final de semana e já no começo dessa manhã pelas fotos e posts que enchiam seu celular via whatsapp, telegram, facebook e instagram, lotados de frases otimistas, churrascos, festas e trilhas. Fazendo com que aumentasse o seu rancor e o sentimento de vida desperdiçada.

No e-mail do estágio, oitenta e sete requeriam sua atenção. No pessoal, mais de cem, a maioria spam. No caminho da faculdade via pulsando em sua retina, milhares de dados fragmentados, que eram decodificados: sinais de trânsito, roupas, placas de carros, capas de revistas, outdoors e jornais. Ao abrir o Notebook no metrô, na tela dezenas de links, pop-ups tentam distrai-lo, como chamarizes sobre assuntos que mais o agradam: marketing, management, publicidade, informática, variedades e de educação, além de todas as pendências da semana passada. Na sua mochila se encontram três livros: dois que ganhara de presente e um que comprou na semana. Apesar do peso, não os tirava da mochila com medo que fossem se juntar às dezenas de outros livros que estão, há meses, na sua estante em uma fila de espera para um dia, serem lidos.Dentre eles alguns forma comprados há cinco bienais passadas, que ainda estava lá no plastico e com cheiro de novo.

Em sua estante se encontram filmes e documentários imperdíveis que não conseguia ver, e que muitos já viram, menos ele. A lista do serviço de streaming deixou a notificação de lançamento de uma nova série hoje a noite. E sua agenda informava para fazer o relatório mensal, não perder a pré estreia do novo filme de aventura e a consulta ao dentista na quinta.

As vezes se sentia esgotado, cheio e inchado. Como um animal que digeriu além do que podia. Contudo, num mundo competitivo e predatório, sabia que não podia ficar para trás. Mesmo que isso gerasse uma sensação de frustração e incapacidade que, aos poucos, ia se transformando em uma ansiedade cada vez maior.

Vivia na Era da Informação, e caminhava em um oceano de dados, bytes e fatos que, isoladamente, não tinham significado.

Assim aos pouquinhos, definhava em vida.


Sua opinião é muito importante! Sempre! Se escrevo é para você.

Então, se gostou, tem criticas, qualquer comentário. Deixe sua opinião aqui em baixo, ela é muito importante para que eu possa melhorar na escrita.

Uma forma de me ajudar: Compartilhe esse conto em suas redes! Ajuda muito!

E se não for pedir muito, já pensou em se torna meu leitor beta? É simples , basta assinar, clicando aqui na minha lista de e-mail, que ainda estou aprendendo a usar. Prometo não fazer spam e se um dia , não quiser me acompanhar, não ficarei chateado.

Gratidão pela sua companhia e seu tempo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s